Texto teatral para 3-2-19 - NINGUÉM É PROFETA EM SUA PRÓPRIA TERRA




NINGUÉM É PROFETA EM SUA TERRA
4o Domingo do Tempo Comum
Lucas 4, 21-30
de Emílio Carlos

(Cenário: casa do Tião.)

NARRADOR – Este é o Tião.

(Entra Tião pela esquerda, com mochila nas costas e boné para trás).

NARRADOR – Ele está chegando da escola.

(Tião joga a mochila de um lado, um tênis de um lado, o outro tênis de outro lado. Se espreguiça).

TIÃO – Ai, que canseira!

(Se joga no sofá e pega o controle remoto para ver TV.).

NARRADOR – A mãe do Tião está lá na cozinha preparando o almoço. Percebendo que Tião chegou, sua mãe vem falar com ele.

MÃE – (entra pela direita) Oi filho!

TIÃO – (de olho na TV) – Fala aí, mãe!

MÃE – “Fala aí” não, rapaz. Olha pra mim quando eu falo com você.

TIÃO – (sem jeito) Tá bom, mãe!

MÃE – Tudo bem na escola hoje?

TIÃO – Tudo.

MÃE – Tem prova amanhã?

TIÃO – Tem, mãe.

MÃE – De que?

TIÃO – De matemática.

MÃE – Então depois do almoço você vai estudar. Senão tira zero na prova
amanhã. (vai saindo)

TIÃO – (displicente) Falô!
MÃE – (voltando) O quê?

TIÃO – (disfarça) É... sim, senhora!

MÃE – Ah, bom! (sai pela direita)

NARRADOR – A mãe voltou para a cozinha para terminar o almoço. E o Tião
pensou assim:

TIÃO – Ah, tem tempo pra estudar. Primeiro eu quero me divertir.

MÃE – (da cozinha, em off) Tião: venha almoçar, meu filho.

TIÃO – (ao público) Oba! Rango! Tchau “procêis”.

(Tião sai pela direita).

NARRADOR – Ah, Tião1 Precisa estudar pra prova, não é mesmo, gente? Como diz o ditado: não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje. Primeiro ele estuda e depois vai brincar, não é?

TIÃO – (ri) Primeiro eu vou brincar e depois eu vou estudar. (ri e pega a bola)

NARRADOR – (fala mas Tião não ouve) É o contrário, Tião.

TIÃO – Eu vou é jogar bola. Depois eu estudo. (sai para a esquerda com a bola).

NARRADOR – Tsc, tsc, tsc! Primeiro o Tião tinha que estudar – depois ele jogava bola. Esse Tião, viu? Isso não vai dar certo.

(Tião volta pela esquerda)

TIÃO – Gente: joguei bola pra caramba! Fiz um gol, chutei duas canelas e caí três vezes. (ri) Agora to com fome. Ô manhê: tá na hora do lanche! (sai pela direita)

NARRADOR – (fala, mas Tião não ouve) Tião: e a prova de matemática? (Tião sai) Gente: isso vai acabar mal. O Tião não está estudando para a prova.

(entram pela direita a mãe e Tião)

MÃE – Agora que você tomou lanche vá estudar para a prova, meu filho. Senão você tira zero amanhã.

TIÃO – Ô mãe: beleza!

MÃE – O quê?

TIÃO – Eu disse: pode deixar que eu vou estudar.

MÃE – Então vá, meu filho. Pegue os cadernos e estude.

TIÃO – Certo, mãe.

(A mãe sai pela direita).

NARRADOR – Mas mal a mãe saiu…

TIÃO – (olha o relógio) Gente: tá na hora do meu desenho favorito. Ah, esse eu não posso perder! (pega o controle remoto, senta no sofá e liga a TV)

NARRADOR – Tião: mas e a prova?

TIÃO – (responde sem olhar para o narrador) Depois eu estudo.

NARRADOR – O tempo foi passando e nada do Tião estudar. A mãe do Tião voltou para ver se ele estava estudando.

(A mãe entra pela direita).

MÃE – Meu filho!!

TIÃO – (se assusta) O quê? Não fui eu! Puxa, que susto mãe.

MÃE – Meu filho: você não está estudando.

TIÃO – Ô mãe... é que…

MÃE – Desligue já essa televisão, menino!

TIÃO – Ô mãe…

MÃE – Já!

TIÃO – Tá bom... (pega o controle e desliga a televisão a contragosto).

MÃE – Agora estudar matemática. Senão é zero na prova amanhã.

TIÃO – Tá bom!

MÃE – Tá bom nada! Eu quero ver o senhor pegar o caderno agora!

TIÃO – (levanta) Já vou, mãe. (levanta, abre a mochila, pega o caderno de matemática. Depois se senta no sofá de novo).

MÃE – E é pra estudar, hein? Nada de TV mais!

TIÃO – Tá bom, mãe.

(A mãe sai pela direita).

NARRADOR – Mal a mãe do Tião saiu…

TIÃO – (pega no sofá um gibi) Olha o gibi que eu emprestei do Zequinha! Eu vou dar uma lidinha. Depois eu estudo.

(Tião coloca o gibi no meio do caderno)

NARRADOR – Olha só que malandro! Fingindo que está estudando – mas na verdade está lendo gibi.

TIÃO – (lendo, ri)

(A mãe de Tião volta)

MÃE – (ao público) Ué: Desde quando matemática é engraçada?

(A mãe se aproxima de Tião. Ele não percebe e ri de novo. Ela tira o caderno da mão dele e ele fica com o gibi na mão).

MÃE – Muito bonito, não é mocinho?

TIÃO – (se assusta) Ai!

MÃE – Meu filho: você não ia estudar?

TIÃO – Mas mãe…

MÃE – Nada de “mas”. Venha jantar. E depois do banho vai estudar pra prova, mocinho.

TIÃO – Tá bom, mãe.

(Os dois saem pela direita).

NARRADOR – É: já é noite e até agora o Tião não estudou para a prova de amanhã.

(A mãe e Tião voltam)

MÃE – Sente aqui, meu filho. E estude. Senão você vai tirar um zero amanhã.

(Tião senta numa cadeira à frente de uma mesa – um tipo de escrivaninha no quarto dele).

TIÃO – (pega o caderno) Tá bom, mãe.

(A mãe sai pela direita).

NARRADOR – Pois é: o Tião brincou, viu TV, se divertiu e deixou o estudo para a última hora.

TIÃO – Ah, isso é moleza para mim! Num instante eu estudo tudo. (começa a ler o caderno e vai ficando com sono. De repente adormece e cai comicamente em cima do caderno).

NARRADOR – No outro dia Tião, que não estudou nada, acorda em cima do caderno.

TIÃO – (acorda) Gente: eu dormi! E não estudei... Mas tudo bem: eu vou tirar dez na prova. Afinal eu dormi com a cabeça no caderno. Eu me atirei de cabeça nos estudos. (ri)

(Tião pega o caderno, a mochila e os tênis e sai pela esquerda).

TIÃO – Eu sou muito “bão”! (ri e sai)

NARRADOR – Bem: Tião foi pra escola fazer a prova de matemática. O que vocês acham que vai acontecer com ele? Será que ele vai tirar dez? Ou será que ele vai tirar um zero, hein? É isso que vamos ver já, já, quando ele voltar da escola.

(Tião volta com tênis e com a prova na mão escrito “ZERO” bem grande e em vermelho).

TIÃO – (entra arrasado) É... eu não tenho sorte mesmo...

MÃE – (entra) O que foi, meu filho?

TIÃO – Tirei zero, mãe! (mostra a prova)

MÃE – Ô, meu filho: eu não lhe avisei?

TIÃO – E agora... eu estou... de recuperação!

MÃE – Ô, meu filho!

TIÃO – (cabisbaixo) É…

MÃE – Venha, meu filho. Vamos estudar.

TIÃO – Que vexame!...

(Os dois saem pelo lado direito)

NARRADOR – Às vezes não ouvimos quem está do nosso lado, justamente porque ele está perto de nós. Foi o que aconteceu com a mãe do Tião: quantas vezes ela avisou o filho, não é mesmo? Mas o Tião não ouviu.
Com Jesus também foi assim. Ele se anunciou na sinagoga de Jerusalém como nosso salvador. Mas muitos não quiseram ouvir Jesus.
Então Jesus disse: “Nenhum profeta é bem aceito em sua própria terra”.
Precisamos sempre ouvir Jesus, que nos fala através do Evangelho. Precisamos sempre seguir Jesus no caminho do bem. Jesus está sempre pertinho de nós.
Vamos dar atenção ao que ele nos ensina, tá bom? Tá bom? Então tchau! Tchau pra vocês.

FIM

www.lojinhacriancacatolica.com.br





Comentários